TARIFAS / SCR

Por meio da Resolução nº 3.919/10 o Conselho Monetário Nacional, estabeleceu as regras que disciplinam a cobrança de tarifas pelas instituições financeiras.

Tabela de tarifas de pessoa física

Tabela de tarifas de pessoa jurídica

SAIBA MAIS

SISTEMA DE INFORMACÕES DE CRÉDITO DO BANCO CENTRAL - SCR

O Sistema de Informações de Crédito do Banco Central (SCR) é um banco de dados sobre operações e títulos com características de crédito e respectivas garantias contratados por pessoas físicas e jurídicas perante instituições financeiras no País. O SCR é alimentado mensalmente pelas instituições financeiras, mediante coleta de informações sobre as operações concedidas.

O SCR não é um cadastro restritivo, porque há informações tanto positivas quanto negativas. O SCR apresenta valores de dívidas a vencer (sem atraso) e valores de dívidas vencidas (com atraso), comprovando a capacidade de pagamento e a pontualidade do cliente. Portanto, estar no SCR não é um fato negativo em si, não impede que o cliente pleiteie crédito às instituições financeiras, podendo, inclusive, contribuir positivamente na decisão da instituição em conceder o crédito.

O SCR exige das instituições financeiras uma autorização específica de seu cliente para a realização de consulta a sua base de dados.

Você pode ter acesso à sua posição pessoal no SCR, após credenciamento no Banco Central. Para mais informações, clique aqui.


IMPORTÂNCIA DO SCR

Aumento do conteúdo de informações que facilitam a tomada de decisão de crédito. Permite que a supervisão bancária acompanhe de forma regular e sistemática o risco de crédito dos agentes que concedem empréstimos e financiamentos.


MEDIDAS JUDICIAIS NO SCR

As determinações judiciais de exclusão de informações da base de dados são inseridas no sistema por meio de transação específica.
A instituição, ao receber a determinação, deverá efetuar essa exclusão.


INFORMAÇÕES INEXATAS

Caso o cliente verifique inexatidão nos dados do SCR, deve solicitar correção à instituição financeira responsável pela informação. Se não houver concordância entre as partes, a reclamação poderá ser dirigida ao Banco Central ou ainda ser questionada na esfera judicial.